DO HYPE AO HELL – ESTE É CYBERPUNK 2077.

Frustração ou decepção? Incompetência ou descaso? Estas são as perguntas que ceram um dos jogos mais aguardados de 2020.


O novo RPG da CD Projekt Red, foi com certeza um dos jogos mais esperados do ano, entretanto, alguns pontos faziam crescer o Hype em cima do jogo, e a ansiedade dos jogadores a um game que prometia revolucionar a industria.


Todo dia uma matéria nova envolvendo celebridades que estariam presentes no jogo (inclusive nosso querido Ozob, personagem fictício criado por Azaghal, do grupo Jovem Nerd), promessa de uma personalização completa do personagem, motores gráficos diferenciados com gráficos de cair o queixo, experiência imersiva no game, e um multiplayer totalmente diferente do que já foi visto.

Ozob: Personagem fictício criado por Azaghal do Jovem Nerd, presente em Cyberpunk 2077.


De tudo isso, apenas a personalização completa do personagem, foi oferecido, inclusive frustrando muitos, que achavam que seria mais aberto o esquema de edição do personagem.


Entretanto, era de se esperar um jogo com alguns erros, principalmente pela grande quantidade de adiamento feito pela produtora, com relação à data de lançamento do jogo. Agora, será que realmente quando foi dito que seria feito um novo adiamento, e em seguida cancelado, será que foi por verem um jogo completo? Ou visando o lucro que o Hype estava trazendo (e que consequentemente abaixaria conforme o andamento dos adiamentos)

Trecho de Gameplay do jogo Cyberpunk 2077


O que parece é que a empresa queria lançar o jogo para não perder o hype, assim conseguir o maior lucro possível, e depois corrigir falhas por meio de atualizações.


MAS QUEM QUER SER MALANDRO, RODA NO FINAL.


Pela quantidade de bugs, falhas no jogo, jogo desligando aparelhos de videogames sozinho, falta de tradução em português em algumas plataformas, além do anúncio recente de que o multiplayer só chegará em 2023 (parece até piada isso), o número de reembolsos solicitados através das plataformas de compra é gigantesco. Sendo na Sony, o caminho mais difícil ao tentar solicitar o valor de volta, visto que eles dizem que na política da empresa, após baixar, e inicializado, não se pode ter o valor de volta, e precisa pedir à produtora, que por sua vez passa a informação que é necessário pedir à plataforma de compra. Quem paga a devolução no final? Até agora ninguém sabe.

Com isso, Cyberpunk 2077 conseguiu superar Resident Evil 3 Remake como jogo mais frustrante de 2020. Lembrando que o caso do jogo da Capcom, se deve pela empresa ter reduzido o conteúdo da história do título mais marcante da franquia, juntamente com a remoção de modos clássicos.


E para você? Cyberpunk 2077 é frustrante? Você se sente insatisfeito com o jogo? Ou ele atendeu suas expectativas? Deixe aqui nos comentários.

Compartilhe isso:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *